Coronavírus: Funcionários do Grupo Mateus com medo

O editor do blog recebeu neste sábado (21), dezenas de denúncias de funcionários do grupo Mateus que estão impedidos de usar máscaras durante o horário de expediente das unidades.

Como constatamos em várias unidades visitadas, nenhum operador de caixa estava usando o equipamento de prevenção.

“Estamos proibidos de usar máscara para não espantar os clientes, que podem ficar com receio de que algum funcionário esteja doente. O problema é que estamos em contato direto com milhares de cliente todos os dias, sem saber se estão ou não doentes e colocando nossa vida em risco.” Disse uma operadora de Caixa que preservaremos a identidade.

Nos últimos dias, uma multidão tem ido aos supermercados para estocar alimentos, o que tem gerado grande aglomeração de público nas unidades durante o dia inteiro.

O grupo Mateus até o momento, garante que continuará de portas abertas, oferecendo os produtos para os clientes maranhenses.

FC Oliveira

Diferentemente do grupo FC Oliveira, que fez a doação de um carregamento de álcool em gel para auxiliar na preservação do coronavírus, o grupo Mateus até o momento não fez nenhuma ação para contribuir com a união de esforços em torno do combate e preservação do Covid-19 no Maranhão.

Outras empresas

O blog visitou restaurantes, lojas, padarias, farmácias e outros estabelecimentos comerciais. Em todos, os operadores de caixas, que mantém contato direto com o público em geral, estavam usando máscaras e equipados com um frasco de álcool em gel que foi oferecido ao cliente para higienização após uso da máquina de cartão de credito,

Coronavírus: Grupo Mateus fatura dezenas de milhões com pandemia

Enquanto os pequenos comerciantes amargam a queda nas vendas no comercio local, o Grupo Mateus, formado pelas empresas Camiño, Armazém Mateus, Mix Atacarejo, Mateus Online e Mateus, estão lucrando dezenas de milhões com a pandemia no Maranhão.

Nos últimos dias, os caixas dos supermercados Mateus permanecem lotados do horário de abertura das lojas até o minuto em que os estabelecimentos fecham. O movimento já é associado  ao mesmo do período natalino.

Os maranhenses, em especial da capital, tem corrido aos estabelecimentos para garantir estoque de alimentos e o supermercado aproveita para lucrar.

No entanto, especialistas garantem que a medida é desnecessária e que não há motivos para estocar alimentos.

Em nota, o Grupo Mateus garantiu que continuará funcionando por se tratar de serviço essencial à população e disse ter adotado medidas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).