Vargem Grande: Econométrica tenta divulgar pesquisa considerada irregular pela Justiça

A Econométrica, empresa contratada pela Mais FM para realizar pesquisa eleitoral em Vargem Grande e que teve sua divulgação proibida pela Justiça por ser considerada irregular, tenta agora, em novo registro, porém da velha pesquisa, conseguir a divulgação.

Na teoria, a empresa corrigiu os erros do plano amostral, que a soma de todos os números chegavam a apenas  90%.

No entanto, os dados coletados e que a empresa tenta divulgar continuam sendo os mesmos que foram considerados irregulares pela Justiça.

O caso segue nas mãos do Juiz, que deverá se posicionar ainda hoje.

Empresa ligada aos organizadores do Carnaval  milionário de Vargem Grande manda fazer pesquisa eleitoral

A empresa Mais FM, que tem em seu quadro de sócio a empresária Marcia Pereira Monteiro, mas que é comandada por Léo Felipe, é a contratante da Pesquisa Econométrica que está sendo realizada no município de Vargem Grande, cidade comandada pelo prefeito Carlinhos Barros (PCdoB).

Léo Felipe também é dono da empresa LF Produções e Eirelli, a My Love, que faturou contrato milionário no carnaval 2020.

É com todo esse enredo que está programada para o próximo dia 16, a divulgação do resultado da primeira pesquisa registrada no município.

Se depender dos interesses do carnaval, já sabemos o resultado.

Carlinhos Barros quer torrar R$ 4 milhões em carteiras escolares

Faltando apenas 4 meses para o fim do mandato, o prefeito de Vargem Grande, Carlinhos Barros (PCdoB), resolveu investir pesado em carteiras escolares. De acordo com o Diário Oficial nº 914, a previsão é gastar mais de R$ 4 milhões com a aquisição dos mobiliários que devem ser fornecidos direto do Espirito Santo, onde fica a sede da EDM – Empresa Distribuidora de Mobiliário Eireli, vencedora do certame e que pertence ao empresário Eduardo Ernesto Bazhuni Maia.

O blog fez uma pesquisa de preço e descobriu que com todo esse dinheiro, seria possível comprar cerca de 40 mil unidades, aproximadamente o dobro do número de alunos matriculados na rede pública.

São aproximadamente 75 unidades escolares e cerca de 20 mil alunos matriculados.

Com a previsão de gasto, será necessário dobrar o número de escolas e cada aluno terá direito a duas carteiras.

Acontece que o prefeito tem feito exatamente o contrário. De acordo com denúncias de moradores, foram fechadas pelo menos quatro Escolas na Sede do município e outras tantas na zona rural de Vargem Grande.

Além disso, até o momento não há nenhuma previsão para o retorno das aulas presenciais.

Leia também: Carlinhos Barros e Thiago Braz são denunciados no Ministério Público Federal por suspeita de esquema na Educação

Vargem Grande: Justiça condena prefeito Carlinhos Barros

O juiz da Comarca de Vargem Grande, Paulo de Assis Ribeiro, concedeu liminarmente a antecipação de tutela pedida na Ação Popular ajuizada pelo jovem advogado Junior Castro, que solicitava a retirada da logomarca e slogans do gabinete Informativo do prefeito Carlinhos Barros (PCdoB), alegando abuso de poder e desvio de finalidade em publicidade.

O gabinete informativo é uma recente ferramenta de comunicação criada pela gestão dw CB para divulgar as ações do governo, porém sua logomarca que traz uma caricatura com chapéu sentado numa mesa e os slogans, faz uma clara promoção pessoal do prefeito, ferindo o que rege a Constituição Federal.

Na decisão que concedeu o deferimento de medida liminar, o juiz Paulo de Assis diz que analisando os fatos e provas anexadas ao processo, verifica-se que o município demandado, ao apresentar suas ações de governo através do gabinete informativo, promove de forma clara e direta a promoção pessoal do seu gestor público municipal, ao exaltar veementemente a pessoa do prefeito, inclusive com a utilização de slogans, menções e símbolos que remetem diretamente à sua imagem.

“Depreende-se, de acordo com das provas anexadas aos autos, que a publicidade institucional realizada pela prefeitura de Vargem Grande visa a promoção pessoal do seu prefeito, José Carlos de Oliveira Barros, menos de 90 dias antes das eleições municipais, não possuindo caráter educativo, informativo ou de orientação social, ou seja, revela de forma cristalina a inconstitucionalidade das ações de publicidade veiculadas através do gabinete informativo do município de Vargem Grande”, disse o magistrado

“Dessa forma, com fundamentação no artigo 37, caput e §1º, da Constituição da República e no artigo 300, do Código de Processo Civil, DEFIRO o pedido liminar de tutela antecipada de urgência, determinando ao Município de Vargem Grande que suspenda imediatamente as ações de publicidade do seu gabinete informativo que utilizam como artifícios slogans, menções e imagens que remetem de forma direta à figura do seu prefeito, incluindo a logomarca citada na inicial, caracterizada por um boneco sentando à mesa, utilizando um chapéu, sob pena de multa no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) por ato praticado”, completou.

Carlinhos Barros e Thiago Braz são denunciados por suspeita de esquema com dinheiro federal da Educação

O ex-vereador Abdias, os vereadores Jociedson de Aguiar, Diegão da Madeireira e o presidente da Câmara, vereador Braguinha, estiveram nesta  quarta-feira (26), na sede do Ministério Público Federal, em São Luís, para protocolar graves denúncias de suspeitas de fraude envolvendo recursos federais da Educação em Vargem Grande.

De acordo com o robusto documento, cheio de provas e testemunhos de moradores envolvidos ilegalmente no esquema, a fraude no censo escolar pode ter causado um rombo milionário aos cofres públicos.

A denúncia se tornou pública no início de agosto, quando um programa de TV local revelou como era feito todo o esquema para inflar o número de alunos matriculados e assim, obter mais recursos federais. O blog chegou a tratar do assunto na reportagem Denúncia de fraude no censo escolar de Vargem Grande; Tem até morto matrículado.

Na reportagem foi revelado que até defunto estava matriculado regularmente em Vargem Grande, além de escolas e alunos fantasmas.

O documento também revela a mudança no padrão de vida do ex-secretário Thiago Braz, que após assumir a Secretaria de Educação do município, teria passado a ostentar uma vida de luxo.

Agora, os Procuradores da República devem iniciar investigação para apurar as denúncias. Caso prospere, o esquema pode complicar  ainda mais a vida do prefeito Carlinhos Barros e do ex-secretário Tiago Braz.

Confira a denúncia completa aqui

Denúncia de fraude no censo escolar de Vargem Grande; Tem até morto matriculado

Uma reportagem do Programa Mesa Redonda, transmitido por uma emissora local do município de Vargem Grande revelou, na última quinta-feira (06), um verdadeiro escândalo na gestão do prefeito Carlinhos Barros (PCdoB). De acordo com a denúncia, um mega esquema foi formado para obter recursos federais de maneira ilícita.

Segundo documentos apresentados pelo ex-vereador Abdias, uma suposta fraude no Senso Escolar pode ter gerado mais de R$ 7,5 milhões de reais aos cofres da prefeitura. De acordo com o ex-parlamentar, cerca de 1.500 alunos estão matriculados em escolas fechadas desde 2018.

O levantamento feito durante a investigação, apontou que pelo menos 1.500 alunos aparecem com matrículas duplicadas, em escolas fechadas, como a U.I.Paulo Freire, e em escolas com funcionamento normal. Com o esquema, cada aluno gera receita duas vezes ao município.

O esquema, que já foi alvo de investigação da Polícia Federal em outros municípios do Maranhão, estampou a tela do Fantástico em novembro de 2019 e revelou o rombo de gestões criminosas com recursos da Educação.

Em Vargem Grande, segundo as denúncias, durante a gestão do ex-secretário Tiago Braz, além do esquema de duplicidade de matrículas, há crianças com matriculadas fantasmas em Escolas de Tempo Integral, ou seja, a Secretaria de Educação diz que o aluno está estudando, mas sem nunca ter pisado na sala de aula, além de matrículas suspeitas de idosos de quase 100 anos, que também nunca pisaram na sala de aula.

O repórter Josenaldo Soares foi até o cemitério do povoado Murici, e verificou o túmulo do senhor Antônio Rodrigues Silva. De acordo com dados do Ministério da Educação, a Secretaria de Educação de Vargem Grande afirma que o “morto” está devidamente matriculado e frequentou a Escola Municipal Cloves Rodrigues Viana, localizada no povoado Boi Manso.

De acordo com a reportagem, o aluno faleceu em 2018, mas aparece como aluno de Vargem Grande no ano letivo de 2019.

O escândalo deve levar o município de Vargem Grande para o cenário nacional.

Confira a edição do Programa Mesa Redonda que revelou o esquema

Lascou! Dupla de privilegiados da gestão Carlinhos Barros recebeu mais de R$ 100 mil em diárias

Custos com pagamentos de diárias para viagens ultrapassam a bagatela de R$ 310 mil só com aliados da Secretaria de Educação

Ex-secretário Tiago Braz e o prefeito Carlinhos Barros

O vereador Jociedson Águiar (PL), da mesma bancada que cobrou do prefeito Carlinhos Barros, o destino de quase R$ 1 milhão que deveria ser usado no combate do novo coronavírus, revelou na última quinta-feira (16), durante participação em um programa de TV Local, o que pode se tornar o maior escândalo da história política de Vargem Grande, município que fica a pouco mais de 175 km de distancia de São Luís e que ficou conhecido por seu carnaval milionário nos últimos anos.

De acordo com o vereador, documentos comprovam um verdadeiro esquema para concessão de diárias que podem chegar a R$ 550 reais cada uma, para aliados do prefeito Carlinhos Barros. Os valores revelados durante o programa deixaram os professores do município, que sofrem com a desvalorização, chocados.

Um levantamento detalhado, mostra que o ex-secretário de Educação, Tiago Braz, que deixou o cargo para poder concorrer a uma vaga na Câmara Municipal na eleição de novembro, recebeu mais de R$ 66 mil reais para viajar para fora do município. Em alguns casos, os valores recebidos por diárias são maiores do que o próprio salário do mês.

Aliado de primeira hora de Carlinhos Barros e do próprio Tiago, o atual secretário Nonato Costa, que assumiu no lugar de Tiago Braz, é outro agraciado com aproximadamente R$ 40 mil reais em diárias para viagens.

Conhecidos por seus pontos turísticos famosos, os Estados da Bahia e Pernambuco foram um dos destinos da dupla de aliados, que juntos, receberam mais de R$ 100 mil reais para viajarem Brasil afora.

Atual Secretário de Educação e ex-secretário. Juntos, a dupla recebeu mais de R$ 100 mil para viagem para fora do município

Além dos dois privilegiados por Carlinhos Barros, segundo denúncia do parlamentar, pelo menos mais 20 amigos do prefeito, teriam juntos, custado mais R$ 310 mil reais aos cofres municipais, tudo com pagamento de Diárias com o objetivo de viajar para fora do município.

Ouvimos um trabalhador autônomo do município, que revelou sua indignação com o escândalo. “Estou tentando receber R$ 600 reais do auxilio emergencial para sobreviver durante 1 mês com esse valor e saber que amigos do prefeito recebem R$ 550 reais por dia, totalizando mais de R$100 mil reais, é de deixar qualquer cidadão de nossa cidade revoltado.”

A denúncia das Diárias deve chegar ao conhecimento do Ministério Público e revelar uma verdadeira teia de privilégios numa gestão marcada por nepotismo e camaradagem, assunto para uma outra postagem.

Confira o vídeo abaixo

Covidão: Vereadores do PL querem saber o que Carlinhos Barros fez com cerca de R$ 1 milhão

Os vereadores do PL-22, maior bancada da Câmara Municipal de Vargem Grande, estão na cola do prefeito Carlinhos Barros e querem saber o que foi feito com aproximadamente R$ 1 milhão de reais recebidos do Governo Federal e que deveriam ser destinados exclusivamente no combate ao novo coronavírus.

No portal da transparência, há referências a pelo menos dez contratos, que juntos, somam mais de R$ 441 mil reais.

Dentre os valores descriminados nos contratos, chama a atenção a variação de preços dos Oxímetros de Pulso. Em um fornecedor, o equipamento saiu por R$ 801 reais. Já em outro, o produto custou R$ 2.610 reais, uma diferença de mais de 300%.

Também há informações para a aquisição  de mais de 2 mil comprimidos de hidroxicloroquina e outros 2 mil comprimidos do medicamento cloroquina.

Agora, o prefeito precisa dizer para onde mandou mais de meio milhão de saldo do recurso exclusivo para combate ao Covid-19 que não consta no Portal da Transparência.

Covid-19: Advogado quer que Carlinhos Barros explique para onde foram os R$ 636 mil

O advogado Essidney Castro apertou o prefeito Carlinhos Barros, e deu prazo de 20 dias, conforme legislação, para o gestor, através da Secretaria de Saúde, explicar o que foi feito com mais de R$ 636 mil reais recebidos em pagamento extra, e que deveriam ser investidos exclusivamente no combate ao novo coronavírus no município de Vargem Grande.

De acordo com dados do portal da transparência do Ministério da Saúde, só este ano, já foram enviados mais de R$ 5 milhões em recursos da Saúde.

Além de todo esse dinheiro, o município também recebeu um recurso extra, no valor de R$ 636 mil 539 reais, que deveriam ser usados para combater o Covid-19, que a cada dia, se espalha no município, que recentemente foi destaque estadual por um protesto dos profissionais da saúde, que denunciaram o completo descaso do prefeito.

Com total falta de transparência nos gastos municipais, o advogado encaminhou um oficio a Secretaria de Saúde, e caso não esclareça, certamente o prefeito será alvo de mais uma ação na justiça.

Agora lascou!

Em Vargem Grande, servidores da Saúde protestam contra Carlinhos Barros

Em plena pandemia, os profissionais da saúde do hospital municipal Benito Mussoline de Sousa realizaram protestos com paralisação simbólica na manhã desta terça-feira, 13, contra o prefeito Carlinhos Barros, que segue desvalorizando os profissionais que atuam no combate ao novo coronavírus.

Dentre as reivindicações dos profissionais da saúde, estão melhores condições de trabalho, assistência aos trabalhadores durante a pandemia, 40% de insalubridade e reajuste salarial, que de acordo com os referidos profissionais, estão sem reajuste há três anos.

Em entrevista à emissora local, TV Nova, o servidor Clodomir da Conceição falou da falta de reajuste dos salários, e que estavam ali buscando o que é de direitos dos servidores, a exemplo dos 40% de insalubridade, pois estão atuando em área de risco, na linha de frente do combate ao Coronavírus.

Questionado pela reportagem em relação às condições de trabalho, Clodomir falou que os servidores têm recebido alguns materiais (presume-se que sejam os EPI’s), porém reclamou do isolamento dentro do hospital, principalmente em relação ao repouso feminino, citando que teve caso de paciente internado no HBM com Covid-19 e as funcionárias foram obrigadas a passar na área quando destinavam-se a trocar de vestimentas.

A servidora Francisca Rocha, falou que foi repassado aos funcionários que teria uma equipe que atenderiam os pacientes que chegassem no HBM com Covid, no entanto isso nunca aconteceu. Francisca, completou falando que quem está atendendo os pacientes com Covid são os servidores do HBM e por isso estão cobrando o adicional de 40% de insalubridade.

A curva de contaminação da Covid-19 continua em ascendência em Vargem Grande, que até o momento já conta com três óbitos em decorrência do vírus.

Confira a reportagem da TV local