Veja quem são os deputados maranhenses que não assinaram o requerimento para instalação da CPI do Vazamento de Óleo

O requerimento do deputado federal João Campos (PSB-PE), que pede a criação de uma CPI para investigar as causas e os responsáveis pelo Vazamento de Óleo que há dois meses mancham as praias do nordeste recebeu assinaturas de 267 deputados dos 25 partidos com representação na Câmara.

Dos 18 deputados maranhenses, apenas seis não assinaram o requerimento para que seja criada a Comissão Parlamentar de Inquérito.

São eles: Josimar de Maranhãozinho (PL); André Fufuca (PP); Edilázio Jr. (PSD); João Marcelo (MDB); Hildo Rocha (MDB) e Pastor Gildenemyr (PL).

A expectativa é que a CPI seja instalada nos próximos dias

Eleições 2018: Luís Fernando promove campanha do ódio e medo em São José de Ribamar

Acuados e com medo de demissões, funcionários assinam listas de presença em reuniões políticas promovidas por Luís Fernando.

Funcionários da prefeitura de São José de Ribamar denunciam que estariam sendo obrigados a comparecer, após o final do expediente, às reuniões políticas promovidas pelo prefeito Luis Fernando.

Denúncias acusam o prefeito de ameaçar punir funcionários que não comparecerem as reuniões políticas promovidas sempre após as 18hs, na Chácara dos Planejas.

Mais de um ano e meio após assumir a prefeitura de São José de Ribamar e vivendo um inferno astral com a população do município (veja aqui, aqui e aqui), Luís Fernando tem recorrido aos 1331 funcionários comissionados e outros prestadores de serviços para buscar apoio para o seu consórcio de candidatos.

Rejeitado por onde passa e sem contar com o apoio dos vereadores, restou ao prefeito usar o trunfo do emprego, que conta com orçamento de mais R$ 3,4 milhões gastos por mês para manter os funcionários contratados.

Diariamente, desde o inicio da semana, quem passa pelo bairro Piçarreira, tem visto, todas as noites, um aglomerado de carros de funcionários que estão sendo obrigados a comparecer às reuniões promovidas pelo prefeito logo após o expediente, com o intuito de apresentar os candidatos que receberão apoio do prefeito, entre eles, o sarneysta Hildo Rocha (MDB), que disputará a reeleição para a Câmara Federal, o deputado estadual Neto Evangelista (PSDB), aquele da medalha de honra cultural dada a Pablo Vitar, além de Sarney Filho (PV) e José Reinaldo (PSDB), que tentarão chegar ao Senado Federal. Com esse leque de oposicionistas ao Governo do Estado, Luís Fernando termina a reunião se dizendo apoiador de Flávio Dino (PCdoB).

Com lista de presença na porta, cada dia uma secretaria e seus funcionários são obrigados a ir à Chácara onde, em 2016, aconteceram os Planejas. Por lá, funcionários amedrontados comentam que a ordem é uma só, quem não for, terá que convencer o chefe o motivo de não ter comparecido a reunião política, sob pena de exoneração.

A campanha de ódio e medo tem aterrorizado pais de famílias ribamarenses que temem pelo emprego, caso não votem nos candidatos do prefeito.

Luís Fernando em bate-boca com população do bairro Jota Câmara. No flagrante, o prefeito ribamarense puxa o braço de uma senhora e logo em seguida levanta o dedo e passa a falar em tom ameaçador.

Em 2016, era comum ouvir a frase, “o que você prefere, quatro meses ou quatro anos?” o que resultou em mais de mil demissões logo nos primeiros dias que Luís Fernando assumiu a prefeitura.

“As reuniões que acontecem na Secretaria e antecedem essas reuniões na Chácara da Piçarreira é uma verdadeira volta ao passado, à época da Ditadura. Somos pressionados sempre com a palavra crise e desemprego, pra deixar claro qual será a punição para quem não votar em seus candidatos. Uma verdadeira tortura psicológica”. Denuncia uma funcionária da Saúde que temendo por seu emprego, esteve na reunião política nesta quinta-feira, 26..

Prefeito Ruivo é acionado por manter “fantasma” na folha de pagamento de Cantanhede.

A esposa do deputado federal Hildo Rocha (MDB), padrinho político do prefeito, foi nomeada com status de secretária, e já teria recebido mais de R$ 70 mil reais. O Promotor ofereceu a denuncia contra o prefeito, por ato de improbidade administrativa, já a esposa do deputado, responderá criminalmente.

O Ministério Público do Maranhão ajuizou, nesta segunda-feira, 7, Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa contra o prefeito de Cantanhede, Marco Antônio Rodrigues de Sousa, e contra a servidora Mirian Rodrigues Rocha, acusada de ser funcionária fantasma da Prefeitura de Cantanhede.

Na ACP, foi pedida ao Poder Judiciário a indisponibilidade dos bens dos dois acusados no valor de R$ 72 mil, com o objetivo de garantir o ressarcimento do prejuízo causado aos cofres públicos. O valor corresponde aos salários recebidos por Mirian Rocha desde que foi nomeada, em maio de 2017, até os dias atuais.

Ela também foi alvo de Denúncia criminal por não trabalhar, mesmo ocupando o cargo de chefe do Escritório de Representação do Município de Cantanhede em Brasília, onde mora com o marido, o deputado federal Hildo Rocha.

De acordo com o promotor de justiça Tiago Carvalho Rohrr, o prefeito encaminhou ao Poder Legislativo municipal o Projeto de Lei nº 09/2017 com o objetivo de criar o Escritório de Representação do Município de Cantanhede em Brasília.

A proposta foi aprovada pelos vereadores e, em seguida, em maio de 2017, Mirian Rocha foi nomeada pelo chefe do Poder Executivo para ocupar o cargo. Apesar disso, não há um escritório físico em Brasília para o cumprimento das atividades nem equipe de apoio.

Em depoimento ao Ministério Público, a acusada admitiu que trabalha em casa ou acompanhando demandas do Município de Cantanhede junto a algum órgão e se comunica com a Prefeitura por meio de aplicativos de celular. Até agora, Mirian Rocha recebeu R$ 72 mil de salários acumulados.

Na ACP, Tiago Rohrr questiona a ausência de um escritório, uma base física, para a realização das atividades, considerando que a Lei Municipal nº 311/2017 atribuiu o status de secretaria municipal, além da falta de comunicação formal entre a sede do Poder Executivo e o escritório em Brasília.

“Estamos diante de uma típica situação em que o administrador pública, no caso o prefeito, se utiliza de um meio lícito (proposta de um projeto de lei) para alcançar um resultado ilícito (danos aos cofres públicos), o que deve ser rechaçado pelo Ministério Público e combatido pelo Judiciário”, questionou, na ACP, o promotor de justiça.

Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio

SANÇÕES

O MPMA pediu a condenação dos acusados por improbidade administrativa, resultado na perda dos bens ou valores acrescidos ilegalmente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou de crédito.

Bomba! Deputado Federal HIldo Rocha pagou quase meio milhão para fotógrafo de Brasília

No total, o deputado federal Hildo Rocha apresentou R$ 698 mil reais em notas fiscais de divulgação de atividades parlamentares. Só para um único fotógrafo, foram pagos R$ 474 mil reais. Todo valor foi reembolsado nas prestações de contas do deputado.

Rei da foto, o deputado federal Hildo e o amigo, ex-deputado e agora presidiário, Eduardo Cunha, registrando mais uma fotografia.

O deputado federal HIldo Rocha (PMDB), é um dos recordistas em gastos com divulgação de atividades parlamentares, ainda que, aqui no Maranhão, pouco se tem ouvido falar nele.

Uma das dezenas de notas apresentadas por Hildo Rocha

O blog Maramais fez um levantamento dos gastos apresentados pelo deputado desde janeiro de 2015, e verificou que o parlamentar maranhense apresentou notas de gastos de R$ 1 milhão e 330 mil reais, que foram devidamente reembolsados na conta de Rocha.

Estúdio fotográfico de Linderlândio Barbosa

O maior gasto do parlamentar é com o fotógrafo Linderlândio Barbosa, conhecido em Brasília apenas como Barbosa. Só para o profissional, foram pagos, e devidamente reembolsados para o deputado maranhense R$ 474 mil reais.

O profissional começou a prestar serviços para Hildo em dezembro de 2015, e de lá para cá, recebe em média R$ 25 mil reais mensalmente pelos serviços.

O recorde de gastos com divulgação foi no mês de julho de 2015, quando Rocha pagou e foi reembolsado no montante de R$ 68.550,00. Nesse mês, a suposta empresa Maranhão Graff recebeu R$ 40.940,00.

Fomos verificar a situação da suposta gráfica, e no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, a empresa na verdade se chama  Weliton Gomes dos Santos, e dentre as atividades, estão edição de revista, serviço de encadernação e plastificação, edição de livros e jornais. A empresa tem capital de apenas R$ 1 real, funciona em um apartamento residencial e não consta como gráfica.

Com capital de apenas R$ 1 Real, empresa funciona no apartamento residencial, e não prevê atividade de serviços gráficos.

Todas as notas apresentadas de janeiro de 2015 à setembro de 2017, dão direito ao reembolso integral, e o dinheiro volta pra conta do deputado.

Entramos em contato com a assessoria de comunicação do parlamentar que se reservou a afirmar que o profissional Barbosa é um prestador de serviço habilitado e que os preços dos serviços cobrados estão dentro da média praticada no Brasil. Disse ainda, que o serviço prestado tem amparo legal., não havendo portando, nenhuma irregularidade e nem ilegalidade.