Áudio: Duarte Júnior manda processar emissora que liberou participação de ouvinte

Novo áudio do pré-candidato a prefeito de São Luís, deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos), revela que o ex-presidente do Procon tem um perfil ditador e não aceita que ouvintes façam qualquer tipo de critica que não o agrade.

Na mensagem, direcionada a sua advogada Tairinne Morais, Duarte Júnior assume o perfil típico da época da ditadura militar, na qual o cidadão comum e os veículos de comunicação eram proibidos de fazer qualquer crítica.

“Tairinne entra com uma ação contra a Mirante porque eles permitiram que um ouvinte falasse mal de mim na rádio”, diz parte do áudio.

Em seguida, de maneira equivocada, o pré-candidato a prefeito de São Luís tenta convencer a advogada de como as rádios devem se comportar.

“Pelo simples fato deles terem deixado alguém entrar na rádio para falar, é… tá errado”, diz outra parte do áudio.

O ex-presidente do Procon, que é alvo de ação proposta pelo Ministério Público Eleitoral segue defendendo a censura contra ouvintes que usam programas de radio e até TV para cobrar eficiência de gestores públicos, deixando claro de como será sua postura contra participantes de programas de rádio caso seja eleito prefeito de São Luís.

“As rádios corretas não permitem que o ouvinte participe para não correr esse risco”, diz outro trecho da conversa.

No final do áudio, Duarte termina dizendo o que ele realmente quer dos veículos de comunicação de São Luís.

“Eu quero que entre com uma ação, pedindo que eu participe do programa pra falar bem de mim, claro, eu não sou doido, faz isso agora, urgente, eu tô puto aqui.” Conclui o então pré-candidato a deputado estadual.

Nesta sexta-feira (28), após o vazamento do áudio, a conceituada  jornalista Carla Lima, editora de Política do jornal O Estado, comentou os áudios de Duarte Júnior.

A jornalista afirma ter feito questionamentos sobre os áudios vazados diretamente ao próprio Duarte Júnior. De acordo com Carla Lima, ele não respondeu à nenhuma pergunta.

A jornalista lembrou que Duarte Júnior é alvo de um processo que pede a sua cassação por suposto uso do Procon para benefício próprio e inelegibilidade por até oito anos.

A editora de Política concluiu sua participação fazendo uma relação dos questionamentos com o áudio em que Duarte ameaça processar a emissora de rádio. “Fazendo a relação com ele, naquele áudio que ele ameaça processar a Mirante porque um ouvinte o criticou e ele não pôde responder, como se ele quisesse censurar o que o ouvinte tem pra dizer, ele perdeu na justiça isso, quando lhe é dado a oportunidade, parece que ele não tem o mesmo interesse de responder. Mas fica aí, procurado ele foi, mas não respondeu.” Concluiu a jornalista.

Ju

Antônio Miranda revela a verdadeira história sobre o Lava-Pratos de São José de Ribamar

O tradicional Lava-Pratos de São José de Ribamar, que acontece neste sábado e domingo, completa 74 anos de tradição. Diferente da história contada por muita gente, após matérias equivocadas, o carnaval fora de época ribamarense, não foi o primeiro do Brasil, nem criado por garçons, como explica o historiador Antônio Miranda, apaixonado pelo município e maior conhecedor da história local.

Segundo  Miranda, tudo começou através de promessas feitas a São José, pelas agremiações  carnavalescas de São Luís, que de acordo com suas classificações recebidas, viriam no domingo seguinte ao Carnaval à Cidade Balneária pagar promessa em forma de desfile pelo título recebido. Em 03 de março de 1946, vieram então as primeiras agremiações: Mangueira, Flor do Samba, Águia do Samba e Turma do Quinto.

Com o passar dos anos, segundo pesquisas aprofundadas do historiador, outras agremiações e blocos, achando bonito o desfile em São José de Ribamar, passaram também a acompanhá-los, tornando o Lava-Pratos maior a cada edição.

A explicação de Antônio Miranda revela outro feito, durante tempos, a imprensa espalhou “fakenews”, afirmando que o Lava-Pratos teria sido criado por um grupo de garços.

“Essa invenção de que foi garçons, não é verdade, pois na década de 1940 e 1950 não haviam nenhum deles em São José de Ribamar”, explicou o historiador.

Outra informação equivocada que vem sendo espalhada durante anos, e que o historiador fez questão de esclarecer é sobre o surgimento. Diferentemente do que muitos imaginam, o Lava-Pratos de São José de Ribamar não foi o primeiro, mas sim, o segundo a surgir no Brasil.

“O primeiro Lava-Pratos do Brasil aconteceu em Feira de Santana, na Bahia, em 27 de março de 1937, segundo registros.” Explicou o historiador.

Este ano, o público vai curtir as bandas Samba de Boa, Energia e Diel França no sábado (29), e no domingo (30), o público se despedirá do Lava-Pratos 2020 com o cantor Avine Vinny, grande atração da edição, que também terá DJ Inácio Mix, Grupo N’Gandaya e Banda Fênix.