Ciro Gomes frustra Haddad e diz que não vai “tomar lado”.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, o candidato derrotado à Presidência Ciro Gomes (PDT), de volta ao Brasil após viagem à Europa, não declarou apoio a Fernando Haddad (PT), como parte da militância de esquerda esperava, e disse que vai “preservar um caminho” para que os brasileiros possam ter uma “alternativa”. O pedetista reconheceu que “todo mundo preferia” que ele “tomasse um lado e participasse da campanha”, mas ressaltou que não o faria.

“Claro que todo mundo preferia que eu, com meu estilo, tomasse um lado e participasse da campanha, mas eu não quero fazer isso por uma razão muito prática que eu não quero dizer agora. Porque, se eu não posso ajudar, atrapalhar é que eu não quero”, destacou Ciro, deixando entender que caso abrisse o verbo, iria prejudicar Haddad.

A candidatura de Ciro à Presidência sofreu um forte baque quando o PT decidiu retirar a pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco para evitar que o PSB fechasse uma aliança nacional com o PDT. Com a saída dela, o governador Paulo Câmara (PSB), que conseguiu a reeleição, ficou com o caminho aberto. A articulação foi comandada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Na noite de sexta-feira, o clima entre os apoiadores de Ciro que o aguardavam no aeroporto era de campanha para uma nova disputa pelo Planalto daqui a quatro anos.

O Globo

Ciro será o candidato do desenvolvimento, afirma Weverton

O PDT oficializou nesta quinta-feira a pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República. O lançamento aconteceu em um grande ato que celebrou também o Dia Internacional da Mulher, na sede do partido, em Brasília. “Ciro tem um projeto para trazer de volta o desenvolvimento e a recuperação da economia, com justiça social. Vamos trabalhar por esse projeto porque acreditamos nele”, disse o deputado federal Weverton Rocha, pré-candidato ao Senado pelo Maranhão.

“Trabalhamos pesado neste último ano, percorrendo todos os estados brasileiros. Ouvimos nossa base, discutimos o futuro do país e chegou a hora de mostrar nossa cara para as eleições de 2018”, afirmou o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Desde 2006, o partido não disputa o cargo de presidente da República. Lupi anunciou que o PDT disputará cargos majoritários em quase todos os estados, inclusive no Maranhão, onde Weverton disputará uma das duas vagas de senador, na chapa com o governador Flávio Dino. No ato desta quinta-feira, o nome de Joe Valle, atual presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, também foi lançado como pré candidato a governador.

O partido trabalha agora para ampliar as alianças em todo o país, inclusive em torno do nome de Ciro.

Ciro quer ser candidato do desenvolvimento

Durante o lançamento, Ciro disse que quer se o candidato de todos os brasileiros que entendem que o Brasil precisa de desenvolvimento com justiça social. Ele afirmou que sua prioridade será o combate à miséria e à desigualdade social.

“Considero que nenhum de nós pode faltar ao Brasil nessa hora tão difícil. As coisas precisam mudar. Há muita desorientação na discussão brasileira, muita propaganda, muita conversa, muita enganação. O Brasil em janeiro deste ano, pela primeira vez na sua história, empurrou para a informalidade, para o biscate, para a humilhação de correr do rapa, das ruas das cidades por aí afora a maioria do povo trabalhador. Pela primeira vez a quantidade de gente na informalidade e no biscate, se virando para levar algum honestamente para casa, é maior já do que a quantidade de trabalhadores formais”, afirmou Ciro.

PDT disputará majoritário em nove estados

Além de Ciro Gomes pré-candidato a presidente, a Executiva do PDT confirmou outras nove pré-candidaturas majoritárias. O partido deve disputar o governo do estado no Rio Grande do Sul, com Jairo Jorge; Paraná, com Osmar Dias; Espírito Santo, com Sérgio Vidigal; Distrito Federal, com Joe Valle; Rondônia, com Acir Gurgacz; e Mato Grosso do Sul, Odilon de Oliveira.

Para o Senado, o partido lança Weverton, no Maranhão; Cid Gomes e André Figueiredo, no Ceará e Ângela Portela, em Roraima.