Dídima Coelho e Dóris Rios empatadas em Vitória do Mearim, revela pesquisa

Uma pesquisa feita pelo desconhecido Attitude Consultoria  de Pesquisa  de Mercado e Opinião, revelou que a corrida eleitoral no município de Vitória do Mearim está totalmente embolada.

De acordo com os números publicados no blog do Manoel Santos, colunista do Jornal Pequeno, obedecendo a margem de erro de 5,6% para mais ou para menos, a atual prefeita Didíma Coelho e a ex-prefeita Dóris Rios estão tecnicamente empatadas, com 29% e 23% das intenções de votos respectivamente.

Nato da Nordestina aparece com 14%; Dr. Whashington com 4%; Pastor Pedro Lindoso com 3%; Salma com 2%; Zé Mario com 1%; Não sabe/Não respondeu 24%.

O Instituto ouviu 304 pessoas entre os dias 24 e 28 de agosto, tem margem de erro de 5,6% para mais ou para menos, taxa de confiabilidade de 95% e está registrada no TSE sob o número MA 08750/2020.

INOP

Uma outra pesquisa, desta vez feita pelo INOP e contratada pelo Jornal Extra está sendo realizada em Vitória do Mearim e deve ser divulgada dia 03 de setembro.

Eleições 2020: Até ONG já tá fazendo pesquisa em Vitória do Mearim

Segundo dados da Receita Federal, o Instituto não poderia atuar como Instituto de Pesquisa Eleitoral

O registro feito pelo ISMA – Instituto de Sociodesenvolvimento do Maranhão, ong especialista em atividades de associações de defesa de direitos sociais com sede em Mirinzal, chamou atenção do blog.

Em consulta ao site da receita federal, é possível notar que o instituto não tem nenhuma habilitação para realizar pesquisa eleitoral. Dentre as atividades econômicas devidamente cadastrada na receita federal, estão as de defesa de direitos sociais e cultura e arte.

Dados do registro sem qualquer referência a porcentagem de entrevistados por gênero, idade, grau de escolaridade, nível econômico

Já no site do TSE, o que se vê é um plano amostral totalmente equivocado, sem obedecer nenhum critério estabelecido na resolução nº 23.624/2020. Nem o questionário está disponível para consulta pública já que ao clicar no arquivo, apenas uma página em branco é aberta.

Mesmo assim a pesquisa foi registrada, e, segundo o cadastro, foi realizada e ouviu 304 entrevistados entre os dias 16 e 20 de agosto, com data de divulgação para a próxima quinta-feira (27).

Para piorar ainda mais a situação, nem mesmo o nome dos bairros onde a tal pesquisa foi realizada está disponível. Uma verdadeira bagunça.

Outro lado

O blog entrou em contato com a ONG e até o momento da publicação, não obteve qualquer resposta sobre as claras irregularidades no registro da Pesquisa Eleitoral.

Prefeita de Vitória do Mearim é acusada de contratar funcionária fantasma

O Ministério Público do Maranhão ajuizou Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra a prefeita de Vitória do Mearim, Dídima Coêlho, e a recepcionista Juliana Bruce Batalha, que recebia remuneração mensal sem comparecer ao trabalho.

Baseada no Processo Administrativo nº 668-045/2019, a manifestação é assinada pela promotora de justiça Karina Freitas Chaves.

Nos períodos de abril a dezembro de 2018 e de março a abril de 2019, Juliana Batalha foi contratada como recepcionista da prefeitura, ganhando salário mensal de R$ 1.320,00, para uma jornada de trabalho de 44 horas semanais. Como funcionária fantasma da Prefeitura de Vitória de Mearim, ela recebeu, no total, R$ 14.520,00.

Em depoimento prestado ao MPMA, em junho de 2019, Juliana revelou que, durante o período do contrato, nunca foi a Vitória de Mearim, já que possuía outro emprego em São Luís como gerente de vendas em uma ótica.

Também no depoimento, ela afirmou que exercia suas funções “sempre em São Luís”, às segundas-feiras, sem horário definido, na residência da prefeita Dídima Coêlho.

“Não restam dúvidas de que a requerida Juliana Bruce Batalha se locupletava ilicitamente de remuneração advinda dos cofres públicos do Município de Vitória do Mearim, posto que residia na cidade de São Luís, condição incompatível com as atribuições do cargo que supostamente exercia na administração municipal”, comentou a promotora de justiça.

Pedidos – Na Ação, a representante do MPMA requer a indisponibilidade dos bens da prefeita e da servidora até os limites dos prejuízos aos cofres municipais.

No caso da servidora, devem ser bloqueados bens até o limite de R$ 43.560,00 (três vezes o valor dos danos ao erário). Quanto à prefeita, o limite é R$ 29.040,00 (duas vezes o valor dos prejuízos aos cofres municipais).

Além da indisponibilidade dos valores, o MPMA requer a condenação de Dídima Coêlho e Juliana Batalha à perda das funções públicas e a suspensão dos direitos políticos por três a cinco anos.

Entre as punições também estão o pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração recebida e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, mesmo que por meio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

Denúncia – O MPMA também ofereceu Denúncia contra Juliana Batalha, requerendo a condenação dela às penas previstas pelo artigo 312 do Código Penal (apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio). A pena varia de dois a doze anos de reclusão, além de pagamento de multa.

Já a prefeita Dídima Coêlho, que possui foro privilegiado, somente pode ser denunciada pelo procurador-geral de justiça.

Ação do Gaeco e Polícia Civil prende cinco vereadores em Vitória do Mearim

O Ministério Público do Maranhão, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas – Gaeco, e a Polícia Civil, por meio da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção – Seccor, deram cumprimento a cinco mandados de prisão temporária e oito mandados de busca e apreensão, na cidade de Vitória do Mearim, no início da manhã desta quarta-feira, 5 de junho.

A operação foi realizada de forma simultânea em acolhimento de decisão da Justiça da Comarca de Vitória do Mearim.

As investigações apuram os crimes de corrupção passiva e associação criminosa, praticados pelos vereadores George Maciel da Paz, presidente da Câmara Municipal; Hélio Wagner Rodrigues Silva; Oziel Gomes da Silva; Marcelo Silva Brito (Marcelo da Colônia); Mauro Rogério (Nego Mauro); José Mourão Martins e Raimundo Nonato Costa da Silva (Nonato do Chelo). Além destes, o vereador Benoa Marcos Rodrigues Pacheco, o Bena, está sendo investigado pelo crime de corrupção passiva.

Segundo a apuração até o momento, os vereadores solicitaram vantagem financeira a Almir Coelho Sobrinho em troca do arquivamento da CPI que está em andamento na Câmara Municipal contra a prefeita Dídima Maria Corrêa Coelho, que é sua esposa.

Ao prestar declarações durante a investigação, Almir Coelho Sobrinho, secretário-chefe da Assessoria de gabinete da prefeita, apresentou gravações das conversas que manteve com os vereadores com o objetivo de ajustar os valores a serem pagos.

Enquanto os sete primeiros vereadores se uniram para pedir o pagamento do valor de R$ 320 mil parcelado em duas vezes, garantindo a maioria dos votos contra a CPI; o vereador Bena pediu para si a quantia de R$ 100 mil com o mesmo propósito.

Mesmo que nos áudios seja mencionado que cada vereador do “grupo dos 7” receberia uma parcela de R$ 10 mil e outra de R$ 20 mil, havia um ajuste, inicialmente, entre George, Hélio e Oziel para que estes recebessem R$ 70 mil, sem que os demais soubessem.

De acordo com o depoimento de Almir Coelho Sobrinho, havia um plano paralelo entre os vereadores para afastar a gestora, com o intuito de que a vice assumisse e pudesse sacar a quantia correspondente aos royalties da mineração destinados ao município de Vitória do Mearim, totalizando aproximadamente R$2.200.000,00 para, em seguida, dividir entre eles.

Evidenciando a existência desse plano, os vereadores aprovaram, sem observar o procedimento legislativo e em sessão extraordinária, a Proposta de Emenda à Lei Orgânica, possibilitando o afastamento do prefeito em razão do início do procedimento para apurar crimes de responsabilidade pela Câmara Municipal, na mesma data em que Almir Coelho Sobrinho se negou a efetuar o pagamento dos valores solicitados, encerrando as negociações entre eles.

Foram alvos das medidas cautelares de busca e apreensão em suas residências e de prisão temporária os vereadores Hélio Wagner Rodrigues Silva, Oziel Gomes da Silva, Mauro Rogério Pires, José Mourão Martins e Benoa Marcos Rodrigues Pacheco.

Em relação aos vereadores George Maciel da Paz, Marcelo Silva Brito e Raimundo Nonato Costa da Silva, foram cumpridos apenas mandados de busca e apreensão.

Os presos ficarão recolhidos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas pelo prazo de cinco dias, podendo ser prorrogado por mais cinco, como forma de evitar que eles destruam ou omitam provas, ou até mesmo influenciem ou ameacem as testemunhas que serão ouvidas até a conclusão das investigações.

Do material apreendido nas residências dos vereadores, os aparelhos celulares e computadores serão encaminhados ao Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro do Ministério Público para a extração e análise dos dados.

Ricardo Rios segue trabalhando contra Vitória do Mearim.

Ricardo Rios tem tentado dificultar benefícios para Vitória do Mearim

O deputado estadual Ricardo Rios (SD), que ainda não conseguiu retribuir os 4.755 votos que teve em Vitória do Mearim, segue torcendo para que o município siga o atraso dos últimos quatro anos. No melhor estilo pequenez de quanto pior, melhor, Rios conta ainda com a herança deixada por sua mãe, a ex-prefeita Dóris Rios, que no final do mandato foi denunciada pelo Ministério Público Federal por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, fraude licitatória e desvio de recursos públicos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb).

Recentemente, três deputados que juntos não tiveram metade da votação de Rios no município, mostraram para o pequeno deputado como se deve retribuir a população, e anunciaram emendas para beneficiar a população do município.

Glalbert Cutrim (PDT) e Júnior Verde (PV) destinaram emendas no valor de R$ 500 mil cada um, que deverão ser usados para pavimentação de ruas do Povoado Coque. Glalbert teve 1047 votos e Júnior Verde 422.

Já o deputado Vinicius Louro (PR), que teve apenas 60 votos na cidade na eleição de 2014, deveria ser exemplo para Ricardo Rios. Louro destinou emenda no valor de R$ 1 milhão para melhorar a infraestrutura do município.

As emendas dos três deputados ainda não foram executadas devido o município se encontrar inscrito no CEI – Cadastro Estadual de Inadimplentes, fruto de irregularidades da gestão passada.

Se não bastasse isso, nos corredores da Assembleia Legislativa, o comentário é que Ricardo Rios tem usado seu mandato para tentar dificultar qualquer benefício para o município, tudo por conta de divergência partidária na cidade.

Lideranças do Coque reúnem-se para declarar apoio a prefeita Dídima Coelho

No último domingo, 29, os moradores do Povoado Coque, presenciaram um fato inédito. De iniciativa de lideranças da própria comunidade, um grande café da manhã foi oferecido para recepcionar a prefeita Dídima Coelho (PMDB). O evento aconteceu no pátio da Escola Pe. Sérgio Hiomett e contou com a presença do presidente da Câmara de Vereadores, Cristiano Falcão (PT), do vereador Bena (PP), representantes dos deputados Estaduais Glalbert Cutrim (PDT) e Vinicius Louro (PR), além de dezenas de lideranças políticas da região.

Durante o evento, Zé Ferreira, Chico Assad, Cuíca, Pedro Chaves, Chico Xavier, Dalci, Garrincha, Francisco Chaves, Bala, Passo Triste, Osana, Joca e outras lideranças fizeram questão de ratificar total apoio a gestão que vem sendo feita pela prefeita.

Almir Coelho elencou os avanços do município nos dez meses de gestão da prefeita Dídima. “Vitória do Mearim foi entregue pela gestão passada num verdadeiro caos. Já conseguimos recuperar muita coisa, uma delas é o hospital que já melhorou muito, mas ainda tem muita coisa a ser feita. Ainda estamos vivendo da herança deixada pela gestão passada, uma delas, são as dividas deixada pela ex-prefeita. Mas tenho certeza que com responsabilidade, e competência da equipe da prefeita, mudaremos essa realidade.” Disse Almir.

O vereador Bena lembrou que esse é um fato inédito na localidade. “Nunca um gestor teve essa preocupação de sentar e ouvir a comunidade. A prefeita Dídima está de parabéns e tem total apoio de nossa comunidade”. Declarou o parlamentar.

A prefeita agradeceu a manifestação de carinho e apoio que vem recebendo de todas as lideranças, e declarou que esse é um momento de união, que tem como proposito a reconstrução de Vitória do Mearim.

“Essa união é fundamental para garantirmos um futuro melhor  para Vitória do Mearim e para o Coque. Nossa gestão está voltada a construir Vitória do Mearim que foi totalmente abandonada pela gestão passada. Também somos favoráveis a emancipação de Coque, que tem um potencial gigantesco. Por isso, estamos preparando o povoado para esse tão sonhado momento, e com responsabilidade, iremos investir em infraestrutura como nunca foi visto antes aqui no Coque.” Destacou a prefeita.

Dídima anunciou que o povoado receberá investimento na ordem de R$ 2 milhões, todos provenientes de emendas parlamentares de deputados amigos do município, entre eles, o deputado Glalbert Cutrim (PDT), Vinicius Louro (PR) e Júnior Verde (PRB).