Roberto Rocha tenta se passar por Bolsonaro

Quem vê a imagem que ilustra esse post, chega a acreditar que o valor de R$ 6,069 bilhões de reais é fruto de emenda parlamentar do senador Roberto Rocha (PSDB).

A peça publicitária, estrategicamente pensada e disponível em local móvel, com letras minúsculas no melhor estilo bula de remédio para que ninguém entenda a origem de todo esse dinheiro, tem enganado muita gente em São Luís.

Sem ter muito o que relatar sobre os seus quase seis anos de mandato como senador pelo Maranhão, o informe na verdade diz o óbvio, sem muitos méritos nem mesmo para o presidente Jair Bolsonaro.

Os R$ 6 bilhões, para quem não conseguiu ler as letras minúsculas, tem origem constitucional e obrigatória em sua maioria. São recursos do Fundo Nacional da Saúde, do Fundo de Participação dos Municípios e outros, todos com origem no bolso do consumidor.

Portanto, ao associar a sua imagem ao valor de R$ 6 bi, Roberto Rocha endossa seu relatório de mandato, que nem ele, nem Bolsonaro até agora não fizeram nada significante para ficar na história do Maranhão.

Simples desse jeito.

Roberto Rocha e Bolsonaro querem que maranhenses paguem para entrar e sair de São Luís

Na prática, é o que deve acontecer a partir de 2021 segundo a programação do presidente Jair Bolsonaro, que conta como principal aliado no Maranhão, com o senador Roberto Rocha (PSDB), que tentou recentemente, sem sucesso, afundar um navio velho em Tutóia.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura do Governo Federal, pelo menos dois trechos maranhenses da BR-135 que já deveriam estar duplicados, serão privatizados, e consequentemente, terão cobranças de pedágios em pelo menos dois pontos.

O primeiro trecho fica entre o KM 51 e 95 da BR-135, localizados entre Bacabeira e o povoado Outeiro, o que obrigará o pagamento de pedágio quase todos os veículos que chegam na capital por via terrestre.

O outro trecho que será privatizado e terá cobrança de pedágio está localizado entre Outeiro, no KM 95 e Miranda do Norte, no KM 127.

Na pratica, quem sair de Miranda do Norte para São Luís, será obrigado a pagar dois pedágios na ida e mais dois na volta, o que deve resultar no aumento de preços de serviços como passagem de ônibus intermunicipal e transportadoras de carga.

Roberto Rocha e a lorota do navio velho prometido para Tutóia

O senador Roberto Rocha (PSDB), revelou esta semana, duas características peculiares.

A primeira, é que é bom de papo. Contou tanto feito que diz ter contabilizado à favor do Maranhão nos últimos meses, que se a live que participou durasse mais meia hora, não seria surpresa para mim, ele anunciar a cura para o novo coronavírus.

A segunda, diz respeito ao navio Stellar Banner, afundado hoje (12), na costa maranhense, bem longe de Tutóia.

Durante a live, Roberto Rocha contou uma grande lorota sobre o navio, e disse que já tinha conversado com Deus e o mundo para afundar o navio em Tutóia.

“Presidente, aquele navio que afundou lá na costa do Maranhão, aquele navio gigantesco, estão terminando de tirar o minério, o óleo e etc. O que que vai ser feito? Vão arrastar e vão afundá-lo. Ora, eu queria fazer um pedido. Pra gente poder afundar esse navio e ter uso turístico, Ou seja, ou no Parcel do Manuel Luiz ( Parque Estadual Marinho do Parcel do Manuel Luiz), que tem muitos navios afundados, ali perto de Cururupu, mas é um Parque Ambiental, então é complicado, eu admito, ou então, preferencialmente lá em Tutóia, que fica no meio da Rota das Emoções, inclusive tem um navio em frente, afundado, então a gente coloca lá esse navio, aí ele, o Chefe da Casa Civil estava no lado, General Braga Neto, me colocou com o comandante da Marinha, já falei com o Ministro do Meio Ambiente sobre a questão ambiental. Acabei de falar com Barreto, promotor do Meio Ambiente sobre essa questão, já falei como Ministro do Turismo e agora nós vamos falar com o presidente da Embratur para ver se a gente ajusta isso.” Disse Roberto Rocha.

No final das contas, parece que a penca de autoridades que emprestou o ouvido para Roberto Rocha, tratou o caso como pura lorota.

São José de Ribamar: Dr. Julinho troca Roberto Rocha por Josimar de Maranhãozinho

O namoro do ex-prefeito de São José de Ribamar, Dr. Julinho, com o senador Roberto Rocha (PSDB) não demorou seis meses. Nesta sexta-feira (28), o blog Maramais recebeu a informação de que o médico não caminhará mais no PSDB, mas sim com o PL, partido do deputado federal Josimar de Maranhãozinho.

A troca de partidos teria se dado porque Roberto Rocha estaria levando a pré-campanha do médico a banho-maria, em ritmo mais fraco do que pré-campanha para presidente de Associação.

Na quinta (27), após publicação da desistência do pré-candidato Júnior Lago, que anunciou adesão ao projeto de Julinho, ficou mais evidente que a troca já havia acontecido.

Agora, com o moral da BR, Julinho deve deixar sua residência em São Luís e cair em campo, em busca de apoio.

Wellington do Curso confirma convites de outros partidos

Sentindo que deve levar uma rasteira do presidente do PSDB, senador Roberto Rocha, o tucano Wellington do Curso, pré-candidato a prefeito de São Luís, confirmou ter recebido convites de outros partidos para disputar o pleito em outubro.

Caso permaneça no PSDB, Wellington corre o risco de ser limado e ficar de fora da disputa pela prefeitura, já que Roberto Rocha não esconde o seu “namoro” com Eduardo Braide (Podemos), e tenta, inclusive, emplacar o filho como vice em uma eventual chapa entre os dois partidos.

A saída de Wellington, apesar de parecer uma crise, acaba sendo um bom negócio para o senador, que terá caminho livre para juntar-se à Braide.

Resta saber agora, se o deputado federal quer associar sua imagem com a do tucano.

Roberto Rocha transformou o PSDB no partido de derrotas no Maranhão

Desde que assumiu a direção estadual do PSDB, em dezembro de 2017, o senador Roberto Rocha, eleito em 2014 pelo grupo do governador Flávio Dino  (PCdoB), transformou o gigante Tucano em um ninho de derrotas.

Sua chegada, vista com desconfiança por muitos, fez políticos de mandato abandonarem o partido, caso do deputado estadual Neto Evangelista, do suplente de senador Pinto Itamaraty e do vice-governador Carlos Brandão, que à época, deixou o partido e garantiu que levaria 25 prefeitos com ele.

Em 2018, Roberto Rocha enfrentou seu ex-grupo e junto com nomes conhecidos da política maranhense, levou uma verdadeira lavada nas urnas.

Na disputa pelo Governo do Estado,  o PSDB com a candidatura de Roberto Rocha obteve míseros 2,05% dos votos, ficando à frente somente do folclórico Ramon Zapata, que obteve 0,36% dos votos, uma verdadeira vergonha para um senador de mandato.

Já na tentativa de conseguir uma das duas vagas do senado, a péssima articulação de Roberto Rocha fez o ex-governador Zé Reinaldo passar a maior vergonha da sua história política, obtendo apenas 3,38% dos votos, ficando atrás até do desconhecido Samoel de Itapecuru (PSL), que obteve 4,47% dos votos.

Com sonho de se tornar senador, o ex-deputado estadual Alexandre Almeida também caiu na barca furada do senador e amargou outros míseros 3,37% dos votos.

O pacote de derrotados continuou na disputa por uma vaga na Câmara Federal. Associados à imagem de Roberto Rocha, também passaram vergonha o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB); o ex-deputado federal Waldir Maranhão (PSDB); e mais um punhado de candidatos desconhecidos que juntos não conseguiram eleger sequer um deputado para a Câmara Federal.

Outro que também passou vergonha nas urnas por ter sua imagem associada ao do senador Roberto Rocha foi o novato Guilherme Paz (PSDB), filho dos ex-deputados Clodomir Paz e Graça Paz (PSDB). Promessa nas urnas com a força da Codevasf e imagem leve, Guilherme ficou apenas na vontade.

Ironicamente, a única vitória no ninho tucano desde que Roberto Rocha assumiu o comando do partido, foi a do deputado Wellington do Curso (PSDB), reeleito com 24.950 votos, praticamente a mesma votação de 2014, mostrando que os votos foram frutos do seu primeiro mandato.

Agora, Roberto Rocha quer sepultar o projeto de Wellington do Curso, de disputar a prefeitura de São Luís pelo PSDB.

Roberto Rocha confirma que pode enterrar candidatura de Wellington do Curso pelo PSDB

Em nota emitida pelo senador Roberto Rocha (PSDB), nesta terça-feira (21), para justificar a sua aproximação com o projeto de Eduardo Braide (Podemos), o presidente estadual do PSDB  acabou confirmando que poderá enterrar a candidatura de Wellington do Curso pelo PSDB.

A tentativa de jogar panos quentes na crise aberta após uma declaração sua ao jornal O Estado, piorou, e o presidente do PSDB acabou confirmando com suas próprias palavras que poderá sim, juntar-se a Braide para evitar um eventual segundo turno.

Na nota, Roberto Rocha diz que seu partido e o de Braide estão no mesmo “campo” político e conclui a nota classificando como “pistoleiros digitais” os jornalistas que trataram da pauta envolvendo o seu nome.

Depois dessa, Wellington do Curso só fica no partido de Roberto Rocha se realmente estiver disponível para no máximo, pasmem, ser candidato a vereador, já que a vice deve ser preenchida pelo filho do senador.

Confira a nota

Roberto Rocha dá sinais de que passará a perna em Wellington do Curso

Para Roberto Rocha, o ideal é que Braide vença no primeiro turno

O senador Roberto Rocha, presidente estadual do PSDB, deu mais um sinal de que colocará o projeto do deputado Wellington do Curso, de disputar a eleição pelo partido que foi eleito em 2016, o PSDB, na gaveta.

Entusiasta do nome de Eduardo Braide (Podemos) e com o plano de emplacar o filho, o ex-vereador Roberto Rocha Jr. como vice, o presidente do PSDB já torce para que Braide vença no primeiro turno, deixando claro que apesar de Welington ser o pré-candidato do partido, seu plano é outro.

Em entrevista ao Jornal o Estado do Maranhão, Roberto Rocha disse o que pensa para a eleição deste ano. “Já temos um pré-candidato, que e é Wellington do Curso. Contudo, é importante saber que pertencemos a um grupo político de oposição ao governo do estado. Neste aspecto, é perceptível a estratégia de Flávio Dino em lançar vários candidatos e forçar um segundo turno na tentativa de impedir uma vitória de Eduardo Braide no primeiro turno. E segundo turno em São Luís contra duas máquinas, estado e prefeitura, é complicado. Dessa forma, o olhar político pode transcender as necessidades partidárias”, navalhou o senador.

Em novembro, ao participar do ato de filiação de Eduardo Braide ao Podemos, Roberto Rocha já dava sinais de que trabalharia para enfraquecer o projeto pré-candidato tucano.

Pelo visto, se o deputado Wellington do Curso realmente deseja ser candidato a prefeito de São Luís, é bom começar a procurar outro partido…

“Esmagados” por Flávio Dino marcam presença em ato de Eduardo Braide

A presença de dois ex-candidatos derrotados na eleição de 2018, pelo grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), chamou atenção na última sexta-feira (29), durante ato de filiação do deputado federal Eduardo Braide ao Podemos.

Estavam por lá, os tucanos Zé Reinaldo Tavares e Roberto Rocha, que foram praticamente esmagados nas urnas, quando saíram humilhados, em sexto lugar com pouco mais de 3% na disputa pelo Senado, e em quarto lugar, com pouco mais de 2% na disputa pelo Governo, respectivamente.

Agora, os dois tentam voltar ao Poder, pelo Podemos, na onda de Braide, que em todas as pesquisas aparece em primeiro lugar na disputa pela prefeitura da capital, que pode ser um trampolim para o Governo do Estado, em 2022,

Para isso, o PSDB  terá que rifar o pré-candidato a prefeito Wellington do Curso (PSDB), que aparece em segundo lugar, de acordo com as últimas pesquisas, e que segue reafirmando que será candidato.

Nos bastidores, é cada vez mais forte a informação de que Roberto Rocha estaria forçando um namoro entre o PSDB e o Podemos, para emplacar o filho Rocha Júnior como vice, na chapa de Braide.

No sábado (30), a convite de Rocha, Braide esteve no evento do PSDB, o que reforçou ainda mais os rumores de traição a Wellington.

Vídeo do Dia: Roberto Rocha é vaiado em Santo Amaro

O senador Roberto Rocha (PSDB) foi recebido com vaias durante encontro na manhã desta sexta-feira (01) no município de Santo Amaro. O motivo de tanta rejeição, seria a PL 465, que propõe alteração nos limites dos Lençóis Maranhenses.

A cada fala do senador, a população respondia com vaiais.

Não precisa responder o que os moradores acharam da Proposta.