“Sou 100% Osmar Filho pra presidente da Câmara” decreta Ricardo Diniz.

Minha prioridade nesse momento é eleger Osmar Filho presidente da Casa.

Com a declaração, o vereador Ricardo Diniz (PRTB), popularmente conhecido como “Meu Querido”, sepultou a estratégia do vereador Chico Carvalho (PSL), em tentar usar o nome do vereador para continuar tumultuando a eleição da Mesa Diretora da Câmara de São Luís.

Por telefone, conversamos com Diniz, que disse. “Estou fechado 100% com Osmar Filho (PDT) e essa história de usar meu nome não tem nenhum cabimento. Inclusive, neste momento, estou ao lado de Osmar, meu candidato a presidente da Câmara.” Destacou Ricardo Diniz.

Dono de uma história política que cresce a cada eleição, Meu Querido, como é chamado por seus eleitores, foi eleito para o seu primeiro mandato em 2012, com 2987 votos. Em 2016, ao ser reeleito, Ricardo Diniz saltou para 4205 votos e agora, se prepara para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado.

“Não sou candidato e estou me concentrando para, nesse primeiro momento eleger Osmar Filho presidente da Câmara, e em maio, com a a benção de Deus e ajuda dos meus queridos, cair em campo para viabilizar nosso projeto de ser candidato a Deputado Estadual.” Concluiu Diniz.

Leia também:

Chico Carvalho planeja jogar história política de Ricardo Diniz na lama.

Manifesto de apoio à Osmar Filho enterra sonho de Chico Carvalho e Pereirinha

Manobra de Chico Carvalho dura menos de 24hs e Justiça determina imediata eleição da Mesa Diretora

Chico Carvalho alega vícios em emenda que acabou com reeleição e segue tentando voltar ao comando da Câmara ao lado de Pereirinha

Pereirinha e Chico Carvalho querem que Câmara retorne à época da agiotagem.

Manifesto de apoio à Osmar Filho enterra sonho de Chico Carvalho e Pereirinha

Maioria dos vereadores já decidiram que irão eleger Osmar Filho (PDT) o novo presidente da Casa Legislativa da Capital.

Documento assinado por 19 vereadores e divulgado nesta segunda-feira, 16, terminou de enterrar o sonho da dupla Chico Carvalho e Isaías Pereirinha, ambos do PSL, de retornar ao comando da Casa do Povo de São Luís.

O Manifesto de Apoio põe fim a possibilidade da Câmara retornar ao período em que os jornais estampavam o nome do Poder Legislativo em noticiários de policia, com envolvimento de membros da mesa diretora em esquemas de agiotagem.

Nesse período, a Câmara era comandada pelo ex-presidente Isaías Pereirinha.

Agora, 19 vereadores já se manifestaram contrários ao retorno obscuro da Casa, e querem que o Poder Legislativo da capital viva um novo momento, de renovação e inovação.

Para que isso aconteça, declaram publicamente apoio à chapa Vereador Edimilson Jansen.

São eles: Raimundo Penha, Marcial Lima, Dr. Gutemberg, Aldir Júnior, Paulo Victor, Marquinhos, Concita Pinto, Nato Júnior, Pavão Filho, Umbelino Júnior, Pedro Lucas Fernandes, Chaguinhas, Afonso Manoel, Beto Castro, Edson Gaguinho, Estevão Aragão, Bárbara Soeiro, Ricardo Diniz e o próprio Osmar Filho.

Mais cedo, Chico Carvalho e Isaías Pereirinha sofreram uma grande derrota. Reveja aqui

Manobra de Chico Carvalho dura menos de 24hs e Justiça determina imediata eleição da Mesa Diretora.

O presidente do PSL, vereador Chico Carvalho, passou uma vergonha gratuita nas últimas 24hs. Alertado por vários advogados sobre a aberração que estava prestes a cometer, ao tentar, junto ao desembargador plantonista do final de semana, José Jorge Figueiredo dos Anjos, liminar que suspendesse a eleição – o que aconteceu – não durou um dia inteiro a “festinha” arranjada por Chico Carvalho com patrocínio do ex-presidente Isaías Pereirinha (PSL), que ficou conhecido pelo escândalo da agiotagem à época que presidiu a casa legislativa.

Nesta segunda, 16, o desembargador Jamil Gedeon, que é relator da matéria, acatou recurso impetrado pelo PTB, e tornou nula a decisão do desembargador plantonista do final de semana, que também é tio do pré-candidato a deputado estadual pelo PSL, Pará Figueiredo, e deveria ter se julgado suspeito ou impedido.

Em sua decisão, Gedeon voltou a determinar o fim da reeleição e imediata eleição. A expectativa agora é que o presidente Astro de Ogum (PR), que não tem interferido no processo, convoque de forma urgente, a eleição.

Com o capitulo de hoje, a dupla Chico Carvalho e Isaías Pereirinha sofreram mais uma dura derrota.

Chico Carvalho alega vícios em emenda que acabou com reeleição e segue tentando voltar ao Comando da Câmara ao lado de Pereirinha.

Desembargador Plantonista que concedeu ao PSL liminar suspendendo eleição, é tio do pré-candidato a deputado estadual Pará Figueiredo, do próprio PSL e citou três decisões do STF de 13 anos atrás, além do antigo CPC, já revogado, para embasar decisão e não se julgar impedido ou suspeito.

Seria cômico se não fosse trágico, mas o vereador Chico Carvalho (PSL), conseguiu, em decisão polêmica no plantão deste domingo, 15, do Tribunal de Justiça, suspender a eleição da Mesa Diretora da Câmara de São Luís, que deveria ocorrer hoje, de acordo com decisão anterior do desembargador Jamil Gedeon. ( Veja a decisão aqui )

O presidente do PSL resolveu assumir que ele e o ex-presidente Isaías Pereirinha (PSL), em 2012, tornaram o processo que acabou com a reeleição, cheio de vícios. Isso mesmo, pelo menos foi o que alegou os advogados do partido em recurso impetrado neste sábado, 14, e que foi deferido pelo desembargador plantonista, José Jorge Figueiredo dos Anjos, tio do pré-candidato a deputado estadual pelo PSL, Pará Figueiredo.

A decisão polêmica, na verdade, só adiou uma derrota da dupla Pereirinha e Chico Carvalho – o primeiro, conhecido como o presidente da época dos agiotas – já que pelas contas, o grupo do vereador Osmar Filho (PDT) tem a maioria da Câmara.

Consciente da derrota certa, Chico Carvalho e Pereirinha já teriam um plano b, que consistiria em escolher um dos aliados de Osmar para ser o Judas da Câmara.

De acordo com vereadores ligados à Pereirinha, a ideia seria se aliar com um dos vereadores da base de apoio do vereador Osmar, para lançá-lo em nova chapa, e assim derrotar o pedetista. Entre os edis, essa suposta chapa de Pereirinha e Carvalho já está sendo chamada de Plano Judas.

Grupo de Osmar Filho conta com pelo menos 20 votos, e homenageará o vereador Edmilson Jansen.

Enquanto a dupla tenta a todo custo tumultuar a eleição da Câmara, e ainda sonham em voltar à época do Bradesco, o grupo do vereador Osmar Filho segue unido e conta com pelo menos 20 vereadores à favor da renovação da Mesa Diretora, pra quem sabe, iniciar um novo momento, sem aquelas velhas práticas da época dos agiotas.

Pereirinha e Chico Carvalho querem que Câmara retorne à época da agiotagem.

Dupla planeja, a todo custo, voltar ao comando da Câmara de São Luís.

O vereador Pereirinha (PSL) vem usando o companheiro de partido, Chico Carvalho (PSL), para tentar, a todo custo, realizar uma manobra na intenção de conseguir no judiciário, mudar decisão tomada pelos dois ex-presidentes, em 2012.

À época, Pereirinha era o presidente da Câmara e Chico Carvalho o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, e com parecer favorável da Comissão, a Câmara aprovou o fim da reeleição da Mesa Diretora.

Agora, o presidente do PSL vai tentar reverter a decisão do desembargador Jamil Gedeon, que negou pedido de liminar em Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), na qual pretendia modificação do artigo 41 da Lei Orgânica do Município, o que adiaria a eleição dos membros da Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Luís, biênio 2018/2020, permitindo a reeleição.

O plano do presidente do PSL é aproveitar que o desembargador José Jorge Figueiredo dos Anjos será o plantonista deste final de semana, para conseguir a liminar que beneficiaria a dupla Carvalho e Pereirinha.

Acontece que José Jorge é tio do pré-candidato a deputado estadual Pará Figueiredo (PSL), filho do presidente do TJ, desembargado José Joaquim Figueiredo dos Anjos, portanto, deverá julgar-se impedido para analisar o recurso que poderia fazer a Câmara de São Luís voltar aos tempos obscuros em que a agiotagem era o tema mais falado nos bastidores da política ludovicense.

Nesta época, o presidente, todos sabem, era o vereador Pereirinha, que inclusive, foi alvo de investigação e acusado de pertencer a uma organização criminosa. O caso ganhou notoriedade com o cheque de mais de R$ 1 milhão de reais assinado por Pereirinha e que estava em poder de um dos maiores agiotas do Maranhão.