Luís Fernando será candidato a prefeito de São Luís e Edmar Cutrim de São José de Ribamar, diz Dutra em artigo

Dutra e sua bola de cristal sobre a renúncia de Luís Fernando e os cenários de 2020 e 2022

O prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PCdoB), publicou artigo neste domingo, 04, o qual diz acreditar que a renúncia do prefeito de São José de Ribamar tem um único motivo: Flávio Dino quer Luís Fernando candidato a prefeito de São Luís em 2020.

Segundo o futi, essa é uma das explicações para a renúncia, esperada para acontecer após o Lava-Pratos, o que já está sendo chamado na cidade de Lava-Faixa, já que populares festejam a saída do desgastado prefeito.

Ainda de acordo com Domingos Dutra, o xadrez político comandado pelo governador envolveria o ex-deputado e conselheiro Edmar Cutrim, que deixaria o cargo na corte para ser o candidato do grupo em São José de Ribamar.

Caso as previsões de Dutra sejam verdadeiras, o tabuleiro ainda envolveria o vice-governador, que poderia se tornar conselheiro do TCE; o presidente da Assembleia, que se tornaria governador; e o vice-presidente da Assembleia, que se tornaria presidente.

Dutra é ex-deputado, prefeito, advogado, experiente, do mesmo partido do governador e amigo do quase ex-prefeito de São José de Ribamar, certamente sabe de mais coisas que os blogueiros, caso contrário não perderia seu tempo escrevendo artigo, ou não!

Vamos aguardar!

Confira o artigo completo do futi.

Nos últimos dias, especula-se na mídia e nos bastidores sobre uma possível renúncia do Prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando, para ocupar uma secretaria no Governo Flávio Dino. Os “analistas” políticos citam como causa desta possível renúncia o desgaste do prefeito Luís Fernando, que não conseguiu, até agora, sequer repetir a excelência dos seis anos de sua primeira gestão na cidade ribamarense.

Também na mídia e nos bastidores questiona-se qual o projeto político embutido nesta polêmica decisão do prefeito Luís Fernando. As análises e as futricas desta delicada decisão apontam para uma também possível candidatura do mesmo na chapa majoritária no pleito de 2022.

Permitam-me discordar tanto da causam quanto do projeto político embutido nesta complexa decisão. Discordo dos que acham que as dificuldades financeiras motivam a possível renúncia. Se fosse verdade, todos prefeitos do Brasil e até governadores teriam que renunciar seus mandatos, já que a crise ética, política e econômica que há cinco anos devora o Brasil atinge a todos sem distinção. Ademais, seria maldade de Luís Fernando deixar no colo carequinha e amigo vice-prefeito Eudes o abacaxi que não conseguiu descascar.

No último encontro que tive com o prefeito Luís Fernando e o vice-prefeito Eudes não vi desânimo nos dois, apesar das dificuldade comuns a todos os municípios brasileiros. E mesmo que fossem os problemas existentes os motivadores desta renúncia, em minha opinião, em nada abalaria o conceito de bom administrador, conquistado pelo  prefeito da segunda cidade da Ilha de Upaon-Açu ao logo de anos de experiências acumuladas. Eu era neném e Luís Fernando já era gestor da extinta COHAB, tendo passagem exitosa por vários cargos no Governo do Estado, com destaque para Secretária de Educação e a Casa Civil.

Por outro lado, sem querer colocar pimenta no meio do salão, considero que da turma da oligarquia que o governador Flávio Dino abocanhou, Luís Fernando é um dos poucos que migrou sem catinga do Sarney.

Flávio Dino é o melhor governador do Brasil. O mesmo está preparado para disputar a Presidência da República. Para sustentar este projeto de esperança para o Brasil não basta Flávio Dino continuar fazendo uma boa gestão: é preciso enterrar de vez a oligarquia insepulta. Desta forma, o projeto eleitoral de 2022 no plano estadual e em nível nacional passa necessariamente por uma vitória consagradora nas eleições municipais de 2020, com destaque para os 30 maiores municípios do Estado e de forma especial na Capital, tambor que ecoa em todo Maranhão.

Na minha modesta observação, se a renúncia ocorrer, o estrategista Flávio Dino quer Luís Fernando candidato a prefeito de São Luís. O Governador deve ter pesquisas qualitativas que indicam boa aceitação da candidatura de Luís Fernando a Prefeito da capital. O Governador, com certeza, tem ciência de que a pulverização de postulantes de sua base política facilitará a vitória de Eduardo Braide na Capital. O prefeito Luís Fernando se encaixa nesta equação: ser um nome de peso para unificar a base politica dos partidos que garantiram a vitória maiúscula de toda a chapa majoritária no pleito de 2018 para vencer em 2020 as eleições em São Luís, de preferência no primeiro turno.

Considero que desta vez, Luís Fernando não embarcaria em canoa furada como ocorreu em 2014. Nesta equação, a renúncia de Luís Fernando não teria nenhum prejuízo para população de São José de Ribamar, já que Eudes, além de fiel ao atual prefeito, possui larga experiência administrativa e bom trânsito no meio político.

Nesta equação, pode está sendo combinada com uma possível candidatura a prefeito de São José de Ribamar do conselheiro Edmar Cutrim, o qual, ao renunciar o cargo, abriria uma vaga na cobiçada Corte de Contas, espaço que ficaria à disposição do manejo do Governador, a qual poderá servir de agasalho para Brandão, Othelino, Marcelo Tavares e outros personagens da fauna política. Nesta complexa equação, o habilidoso Governador Flávio Dino pode ressuscitar a antiga aliança entre o Silva e os Cutrim, restabelecendo a paz na Cidade Santa.

A equação Luís Fernando para o projeto de 2022 é complexa. Porém, se o Governador Flávio Dino teve a habilidade politica que desmontou a oligarquia Sarney, tendo inclusive que  engolir parte de seus membros, esta conjuntura tem força política suficiente superar mugangos de atores que se fortaleceram em 2018 como condição para vencer as eleições municipais, com destaque com Luís Fernando prefeito em São Luís.

No entanto, assim, como as outras, esta minha “tese” é apenas mais uma especulação. Como o Brasil só funciona de fato após o carnaval, vamos aguardar as águas revoltas de março para constatarmos se o rio realmente corre para o mar ou se o mar vai virar sertão.

Edmar Cutrim é homenageado pela Câmara de Vereadores de São Luís

A Câmara Municipal de São Luís aprovou Moção de Aplausos e Congratulações em homenagem ao ex-deputado estadual e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, Edmar Serra Cutrim.

A honraria, proposta pelo vereador Paulo Victor (PROS) e aprovada unanimemente pelo plenário, teve como objetivo reconhecer a contribuição dada ao estado por Cutrim ao longo dos seus cerca de 40 anos de vida pública.

“Agradeço e destaco o relevante trabalho desenvolvido pela Câmara de São Luís e os vereadores que a compõe. Estou muito feliz em receber esta homenagem”, disse o conselheiro.

Edmar Cutrim é pai do ex-prefeito de São José de Ribamar e ex-presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, Gil Cutrim; do deputado estadual Glalbert Cutrim – ambos do PDT – e do juiz Gladiston Cutrim.

Gil é pré-candidato a deputado federal e Glalbert tentará renovar o mandato em 2018.

No primeiro semestre, várias especulações foram feitas sobre a possibilidade de Edmar deixar a Corte de Contas para retornar ao campo político.

O conselheiro negou peremptoriamente tal situação.

Ano que vem, Cutrim deverá novamente disputar o cargo de presidente do TCE, órgão já administrado por ele em cinco oportunidade.

Com informações do jornalista Glaucio Ericeira.