Eleições 2018: Luís Fernando promove campanha do ódio e medo em São José de Ribamar

Acuados e com medo de demissões, funcionários assinam listas de presença em reuniões políticas promovidas por Luís Fernando.

Funcionários da prefeitura de São José de Ribamar denunciam que estariam sendo obrigados a comparecer, após o final do expediente, às reuniões políticas promovidas pelo prefeito Luis Fernando.

Denúncias acusam o prefeito de ameaçar punir funcionários que não comparecerem as reuniões políticas promovidas sempre após as 18hs, na Chácara dos Planejas.

Mais de um ano e meio após assumir a prefeitura de São José de Ribamar e vivendo um inferno astral com a população do município (veja aqui, aqui e aqui), Luís Fernando tem recorrido aos 1331 funcionários comissionados e outros prestadores de serviços para buscar apoio para o seu consórcio de candidatos.

Rejeitado por onde passa e sem contar com o apoio dos vereadores, restou ao prefeito usar o trunfo do emprego, que conta com orçamento de mais R$ 3,4 milhões gastos por mês para manter os funcionários contratados.

Diariamente, desde o inicio da semana, quem passa pelo bairro Piçarreira, tem visto, todas as noites, um aglomerado de carros de funcionários que estão sendo obrigados a comparecer às reuniões promovidas pelo prefeito logo após o expediente, com o intuito de apresentar os candidatos que receberão apoio do prefeito, entre eles, o sarneysta Hildo Rocha (MDB), que disputará a reeleição para a Câmara Federal, o deputado estadual Neto Evangelista (PSDB), aquele da medalha de honra cultural dada a Pablo Vitar, além de Sarney Filho (PV) e José Reinaldo (PSDB), que tentarão chegar ao Senado Federal. Com esse leque de oposicionistas ao Governo do Estado, Luís Fernando termina a reunião se dizendo apoiador de Flávio Dino (PCdoB).

Com lista de presença na porta, cada dia uma secretaria e seus funcionários são obrigados a ir à Chácara onde, em 2016, aconteceram os Planejas. Por lá, funcionários amedrontados comentam que a ordem é uma só, quem não for, terá que convencer o chefe o motivo de não ter comparecido a reunião política, sob pena de exoneração.

A campanha de ódio e medo tem aterrorizado pais de famílias ribamarenses que temem pelo emprego, caso não votem nos candidatos do prefeito.

Luís Fernando em bate-boca com população do bairro Jota Câmara. No flagrante, o prefeito ribamarense puxa o braço de uma senhora e logo em seguida levanta o dedo e passa a falar em tom ameaçador.

Em 2016, era comum ouvir a frase, “o que você prefere, quatro meses ou quatro anos?” o que resultou em mais de mil demissões logo nos primeiros dias que Luís Fernando assumiu a prefeitura.

“As reuniões que acontecem na Secretaria e antecedem essas reuniões na Chácara da Piçarreira é uma verdadeira volta ao passado, à época da Ditadura. Somos pressionados sempre com a palavra crise e desemprego, pra deixar claro qual será a punição para quem não votar em seus candidatos. Uma verdadeira tortura psicológica”. Denuncia uma funcionária da Saúde que temendo por seu emprego, esteve na reunião política nesta quinta-feira, 26..

Jeylma

Esse prefeito sem vergonha. Tem que asfaltar é os bairros. Como o alto do turu e outros bairros que é só buraco quando ele se candidatou para prefeito ele pareceu nos bairros que ia fazer o que o outro prefeito não tinha feito, até agora estamos esperando cumpra com seu compromisso

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *